Klasse!

(41) 2141-0565

Facebook Twitter Linkedin RSS

BLOG

16/03/2016 12h10 - por KAKOI Comunicação

Confira cinco maneiras de se tornar mais resiliente no trabalho

Confira cinco maneiras de se tornar mais resiliente no trabalho

Não há mais dúvida de que a resiliência é um fator essencial para o bom desempenho profissional. Mas, afinal, o que é isso? Ser resiliente não é o mesmo do que ser resistente. A pessoa resiliente também é resistente, mas é mais do que isso: ela dá um passo além, lida de forma positiva com traumas, perdas e graves adversidades e consegue melhorar como pessoa e profissional, 

transformando as situações de estresse em aprendizado e não em sofrimento ou dor.

 

Quem explica é Ana Maria Rossi, presidente da International Stress Management Association do Brasil (Isma-BR):

 

– No mercado de trabalho, quando algúem resiste a uma força usando a estratégia para lidar com aquela situação, não há dúvida de que se trata de uma pessoa resiliente. O resiliente sempre ressurge diferente – define.

 

Para a especialista, trabalhar a ferramenta nos atuais trabalhadores e nos profissionais do futuro é fundamental.

 

– A tendência é que a pressão do mercado de trabalho só aumente. É um caminho sem volta. Ou seja: temos de ensinar as pessoas a serem mais resilientes, tempos de prepará-las para que saibam lidar com as demandas diárias sem adoecer. E que assim consigamos mudar uma realidade: o aumento de 28% em um ano no número de afastamentos por estresse, de acordo com dados da Previdência – diz.

 

Ana Maria elencou cinco características que podem ser trabalhadas individualmente para ajudar os profissionais a lidar com as pressões diária e a "transformar o limão em limonada". Porém, alerta, nada disso funciona se a pessoa não tiver dois pontos fundamentais desenvolvidos: alta autoestima e autocontrole:

 

– Acreditar em si mesmo, aceitar erros e fracassos são fatores vitais para ser resiliente. Bem como não se deixar manipular pelo comportamento de outros ou pelas circunstâncias das situações. Esses são os primeiros passos. Sem isso, não é possível desenvolver o conceito de uma forma ampla e plena – alerta.

 

Confira abaixo a listagem:

 

1. Seja flexível
É a capacidade de adaptação das pessoas. Se um objetivo dela não funciona, ela tem a capacidade de mudar para o plano B, tem a capacidade de se estruturar e crescer em consequência desta mudança e não sofrer em função dela.

 

2. Seja criativo
Se a pessoa não pode ter aquilo que ela gostaria (como uma posição de mais destaque do trabalho, por exemplo), trabalhar a criatividade ajuda ela a se organizar para ter aquilo que não pode ter. Muitas pessoas ficariam deprimidas, mas o resiliente se foca em algo que ajude a mudar a situação, como um curso de especialização ou sendo mais pró-ativa e prestativa com o grupo que ela quer liderar.

 

– Posso canalizar a minha vontade de uma forma que me engrandeça e não me encolha – ensina Ana Maria.

 

3. Tenha objetivos definidos
A curto, médio e longo prazo, tenha planos. E gratifique-se com as conquistas, em vez de focar a atenção nas frustrações. Ao contrário disso, foque em meios de compensar o que deu errado, preparando-se para lidar com a situação em vez de sofrer com pensamentos do tipo: "por que isso está acontecendo comigo"? Para evitar sofrimento desnecessário, foque na situação, em como vai lidar e sair dela, e não nas emoções ou nas suas reações.

 

– Metas definidas ajudam a pessoa a ter foco, evitam que ela fique perdida durante o caminho. Porém, metas muito rígidas também prejudicam. O ideal é a flexibilidade – diz.

 

4. Preste atenção no seu corpo
Fique consciente dos seus limites físicos e não perca de vista as reações fisiológicas e emocionais que o corpo dá para evitar desconforto e dor.

 

5. Cultive boas relações e o que faz você feliz
Não deixe de lado os relacionamentos afetivos, amorosos e a família. Procure conversar, jogar conversar fora, ser relaxado e, principalmente, ser feliz.

Fonte: ClickRBS
Foto: wikipedia

0 Comentários

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!